domingo, 26 de outubro de 2008









Quando regresso, faço-o com a fúria de quem nunca lá esteve.Gosto de chegar sozinha e ao entrar na aldeia desligar o rádio que me acompanhou durante a viagem.Abro o vidro e mesmo sem dar conta já estou a fazer o primeiro aceno.Começo inevitavelmente a sentir-me em casa.
Gosto de lembrar.Gosto de conseguir retirar da nostalgia quase tanto riso como do presente e talvez por isso só aqui esteja completa.É nessa nostalgia que encontro o segredo para partir sem nunca abandonar o Alentejo.
Levo sempre comigo a terra seca e o calor que gentilmente turva o pensamento, mas que sabe bem de tão puro. Levo o frio cortante do inverno e a chuva que só ali tem aquele cheiro.Levo o fumo da braseira e do forno de lenha.Levo o cantar ao som da rua daqueles que muitas vezes se deixam vencer plo vinho.
Levo as testas enrugadas e as peles queimadas de quem muito tem para contar.Levo a paciência para esperar o que nunca vai acontecer e levo a verdade de quem nunca aprendeu a ser de outra maneira. Levo a grandeza da planície e a imagem da azinheira,que tal como o poeta dizia, nunca saberá a idade.
Levo tudo o que posso quando parto, volto a trazer tudo quando regresso porque quem ama a terra não sabe roubar sem mais tarde devolver.Fecho o vidro, ligo o rádio e a única certeza é sempre a vontade de regressar.

4 comentários:

Pombo disse...

Obrigado por nos mostrares essa janela da tua alma. Traz-me de volta memórias. É para reforçar a minha teoria de que todos estamos ligados. Não somos assim tão diferentes uns dos outros como ás vezes queremos deixar transparecer.

Proud Mary disse...

Mas que linda a minha menina a escrever o q lhe vai na alma ;)

"Quando regresso, faço-o com a fúria de quem nunca lá esteve."
LOL pois claro, regressas sempre em altura de festa e essa fúria aliada à saudade, à vontade d diversao e ao tal vinho que vence os homens dá smp o mesmo resultado :)

Gostei especialmente deste post, é o retrato daquilo q realmente tranpareces cada vez q chegas da checa lol

Bjaoo baby *

Joana Medeiros disse...

Só mesmo quem te vê nesse meio é que sabe como isso te faz feliz!

Vânia Caldeira disse...

Bom estava a pensar comentar só um post, mas não poso deixar de te dizer q adorei este! É admirável a forma como te consegues expressar, como consegues transmitir o q sentes… =)